quarta-feira, março 22, 2006

Amante Morte

Amante Morte

Amar a morte
Presença forte
Do momento
Em que se nasce
A cada instante
Se morre!
Fiel passiva morte
Acompanhando-nos
Não é falta de sorte
Amiga que impulsiona
À vida longa
Temê-la!
Para quê?
Não é o desejo dela
À vida!
Pois que eu tenha amor
Assim ela valor dará
Caminhando a meu lado
Sempre estará
Onde quer que eu vá
Nesta vida alegre
E quando chegar o findar
Dos dias que me restam
Desta linda vida
Vida bem vivida
Companhia ela me fará!
*
Amante morte
Me dê uma boa hora
E neste momento
Abrace-me forte!
Não te negarei o beijo
Beijo doce e valente
No romântico
Frio conseqüente!
Te acompanharei!
E muito contente
De mãos dadas
Galgando os vales das sombras
Atravessando o teu mar
Gelado e vazio
Na luz de sua lamparina
Sob sua proteção
Linda morte menina
Guia-me até o além
Ao meu destino certo
E quando estiver perto
Com lágrimas e sorriso
Em breves despedidas
Antes de chegar ao paraíso
Deixando-me na porta
Entregue aos anjos
E num gesto infeliz
De um amor rompido
Pois também foste vítima
Do belo Cupido
E me deixarás!
Retornando
Com o seu lindo vestido branco
Dentro do seu barco
Chorando em prantos!
Ludiro
21/03/2006

10 comentários:

Claudinha disse...

Gostei muito de suas poesias. A morte sempre é um mistério, e seu véu branco torna-se obscuro diante de nossa ignorância de suas fronteiras...

Maria angélica disse...

Nossa! Está pereita em todos os sentidos!
E a morte, sob o seu olhar, ficou linda!

maria angélica disse...

perfeita

Benvinda Palma disse...

Ludiro , grande poeta!

Que lindo canto, melódico, enternecedor, inebriante. Seu apetite voraz pela vida o faz vislumbrar a morte sob um prisma sereno, terno e natural! Parabéns pelo belo poema!

Rodrigo Capella disse...

Ótima poesia. Visitarei sempre. Abraços, Rodrigo Capella.

Douglas disse...

é meu caro amigo poeta, ficou linda a sua poesia, vc realmente soube abordar de uma maneira poetica,esta que é uma das mais temiveis realidade humana...

Ademir Antônio Bacca disse...

Luciano,
finalmente consegui chegar ao teu blog e aos poucos vou devorar a tua poesia. Te adianto que vou voltar mais vezes a estas tuas páginas. parabéns. Grande abraço

Anônimo disse...

OI MANU ADOREI US TEUS POEMAS, SAUM MT LINDUS MSM.
ESPERO Q TENHA MAIS PRA NOIS VE.HEHEHEHE
TU TAH FIKANDU MT XIQUE HEIM...
BJUS TE AMU MT
SAUDADES DA MANA QUE TE MAM D MAIS
ANA CARLA DIAS

Ludiro disse...

Falar em morte gera polêmica!

O poema "Amante Morte" foi uma forma de expressão do modo de transmitir a desejo pela vida, e não temer-mos a ela, como falou a queria amiga acima, é a única coisa garantida, certa, mas não que devemos amá-la e sim viver-mos tanto a ponto de não encontrá-la tão cedo, e como sabemos, e é obvio, esse futuro, ela nos acompanha e por isso quem sente a dor da perda é ela e não nós!
Agarrando-nos na vida, vivendo feliz e sem se preocupar com ela.
Espero que tenham entendido a expressão coloquial poética!
Gosto de poemas onde o amor esta acima de tudo, e esse é um assunto polêmico e na primeira vez que se lê, dá-se esta impressão, mas em outra lida, com calma e pensando no otimismo observa-mos que a expressão é amor e não a morte em si como a proposta do texto!

^^Ludiro^^

Lyah Turek disse...

Bravo!!! Belíssimo poema, eu adorei o modo com que expôs o tema. Na verdade, a morte é a única certeza da vida, e temos que aceita-la e sabermos que mais cedo ou mais tarde ela com certeza, virá.