sexta-feira, janeiro 26, 2007

Sal

Sal

Largo agora
os meus braços cansados!
Fecho meus olhos úmidos,
Lacrimejados...
De nada valem as palavras,
inverteu-se o verso.
O suco da minha dor!
Largo em cima do papel
o meu coração estampado...
sangrado em fios
de arame farpado,
quebrado o cristal
o lilás se fechou
na saudade esquecida.
Deixe-me quietinho
voltarei a sorrir.
Somente agora
neste efêmero momento.
Triste...meus versos
estão todos molhados
com perfume de jasmim
que meus olhos derramaram.
-- Ludiro e Cláudia Gonçalves

Um comentário:

andre disse...

lágrimas, sal, o suco da dor, sal, páginas molhadas, sal. poema temperado. abraço