quinta-feira, julho 27, 2006

Partida


Partida

Não dá mais!
Meus passos
Se findam,
Mal posso ver-te,
Estou morrendo!
Te deixarei
Na imensa escuridão!
Estou deixando-te,
Abandonando-te,
Não porque queira,
Mas preciso partir.
Triste,
Tosco e fraco,
Quase morto,
Morrendo no sufoco,
Trêmulo
E vazio,
Sem calor,
Deixo-te no frio!
Não posso mais
Proteger-te!
Envolver-te!
É o meu fim
Findando,
Sem pena de mim
Que sou grande,
Belo,
Forte e radiante,
Afrontando a morte
Inspirando-te.
Agora
Resta-me nada,
vou devagar.
Indo embora
Apagando-me,
Na morte infeliz
Do entardecer,
Lutarei
Com todas as minhas forças,
E, ao outro lado,
voltarei
Com imensa energia
Brotando ao solo fértil!
Seu astro predileto,
Prometo,
Ou não me chamo SOL
Ludiro
27/04/2006

4 comentários:

Ademir Antônio Bacca disse...

Luciano,
teu blog já está em meus favoritos
voltarei sempre
abraços

Benvinda Palma disse...

Grande Pássaro Ludiro!

Não sei se começo pela foto ou pelo poema. Pela foto, vou perder-me com a beleza das formas, das cores, do belo! Se, pelo poema, pela beleza das palavras, da poesia, do suspense, da sensibilidade....do seu grande talento, poeta!

Parabéns

Sua amiga

Benvindav

Anônimo disse...

adorei as poesias....
espero que contunue assim....
te amo muito...
bjus de sua irmam...
ana carla

Benvinda Palma disse...

Simplesmente encantador! Tem suspense, tem magia, tem poesia.... que é o que você faz com sabedoria e talento!
Parabéns!

Bjs

Bem-te-vi